Quarta-feira, 16 de Outubro de 2019

Diretores do SindPFA participam da Assembleia Geral do Fonacate
Reforma administrativa foi um dos temas de debate

O SindPFA participou na terça-feira (10/9) da Assembleia Geral do Fonacate, que teve como principais temas as reformas que estão sendo debatidas pelo Governo. Foram definidas estratégias de atuação para a reforma da Previdência, que está em vias de ser aprovada no Senado, reforma administrativa e reforma tributária, entrando nos debates do Congresso.

Participaram da reunião, além dos representantes das demais entidades representativas do Fórum, a Diretora Presidente do SindPFA Djalmary Souza, o Diretor de Política Agrária Luiz Fernando de Mattos Pimenta e o Diretor Sindical Geraldino Gustavo de Queiroz Teixeira.

De acordo com Diretora Presidente do Sindicato, que também é Vice-Presidente do Fonacate, esse é o momento de união de todo o serviço público. “Estamos sendo atacados de todos os lados. Alguns parlamentares não estão interessados em defender o funcionalismo. Mas tenho certeza de que temos força para continuar resistindo a todo esse cenário”, enfatizou Djalmary Souza.

Rudinei Marques, presidente do Fórum e do Unacon Sindical, lembrou que os servidores, desde o governo Temer, têm levado a culpa pela crise econômica e o desajuste fiscal no país. “Em dezembro completará três anos da nossa luta contra a reforma da Previdência. Sugerimos emendas, propostas para o aperfeiçoamento dos textos, mas ainda é preciso diálogo. A PEC 06/2019 não tem regras de transição justa para os servidores, propõe alíquotas que beiram o confisco e vai acabar com o regime próprio”, argumentou Marques.

A PEC Paralela 133/2019 que tramitará em conjunto com a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/2019, da reforma da Previdência no Senado, também gera muitas dúvidas. Foram apresentadas 293 emendas para alterações ao texto da PEC 6 no que tange o funcionalismo.

O debate sobre a reforma administrativa que está sendo proposta pelo atual governo para reduzir o número de carreiras no serviço público, acabar com a estabilidade, criar uma avaliação de desempenho mais rígida, trava nas promoções e redução de salários, foi outro tema citado pelas entidades do Fonacate como foco de grande preocupação para os servidores.

Para Marcelino Rodrigues, secretário-geral do Fonacate e presidente da Anafe, os tempos que se avizinham não serão fáceis para o serviço público, mas é fundamental essa união entre as carreiras. “A nossa luta sempre foi e será por um serviço público com profissionais qualificados, técnicos, e que, em muitos casos, dão a vida pelo trabalho. Casos esses dos nossos servidores da segurança e auditores do trabalho, por exemplo. Quantos já morreram e/ou foram ameaçados enquanto exerciam suas funções a favor do Estado?”, exemplificou Rodrigues.

O Fonacate vai reunir sua equipe técnica para pensar novos projetos pela valorização do serviço público e uma agenda positiva para o trabalho proativo junto ao Congresso Nacional.

NATALIA RIBEIRO PEREIRA

Por NATALIA RIBEIRO PEREIRA

Assessora de Comunicação no SindPFA