Sexta-feira, 9 de Dezembro de 2022

Guedes se reúne com PFAs no Espírito Santo
Presidente do Incra afirma que não há mais o que ele possa fazer para resolver a questão salarial

Aconteceu nesta quarta-feira, 13/11, à tarde, uma reunião entre o presidente do Incra, Carlos Guedes de Guedes, e os Peritos Federais Agrários lotados na Superintendência Regional do Incra no Espírito Santo (SR-20), durante sua visita à unidade. A reunião foi solicitada pelos Peritos, que começaram a conversa questionando sua avaliação da contra-proposta recentemente apresentada pelo Sindicato, quais as perspectivas que via dela ser aceita pelo governo e quais movimentos ele, Guedes, está realizando no sentido de fazer gestão junto ao Ministério do Planejamento.

Objetivamente, Carlos Guedes disse que achava muito difícil o governo avançar para além do que foi apresentado. Falou ainda que estava sendo muito franco e sincero e que estava “pagando o preço por essa franqueza”. Afirmou que fez contato com o Ministério do Planejamento, informando sobre a apresentação da nova proposta pelo SindPFA, bem como foi procurado por alguns parlamentares, entre eles o deputado Paulão (PT/AL), o Padre João (PT/MG) e o senador Aníbal Diniz (PT/AC). Disse que a saída seria trabalhar junto aos parlamentares no sentido de eles tentarem sensibilizar o governo quanto à proposta alternativa

Ele apontou, como uma possível saída, redistribuir o impacto da atual proposta do Ministério do Planejamento, aumentando um pouco o piso e diminuindo o teto, distribuindo o que sobrar pelos níveis intermediários. Disse aos PFAs que não há mais o que ele possa fazer, a não ser reafirmar, nos fóruns e junto ao governo, a justeza de proposta.

O presidente do Incra afirmou que haverá mudanças nas ações do Incra que apontam para “boas perspectivas” para o próximo ano. Colocou a necessidade de, “após a solução da problemática salarial”, sentar com os PFAs para discutir outras questões, citando especificamente a questão dos equipamentos de proteção individual (EPIs).

Os Peritos presentes reafirmaram que a proposta feita pelo governo não atendia os anseios da categoria que ela revertia conquistas históricas da categoria, como é o caso do vencimento básico (VB), lembrando que os 15,8% de aumento proposto em início de carreira, 5% teriam sido corroídos pela inflação deste ano. Disseram que a categoria já havia dado amostras suficientes de boa vontade, recuando, num primeiro momento, da proposta de equiparação com o Ministério da Agricultura, e que, na última proposta, tinha cedido tudo o que era possível ceder, na perspectiva de encontrar uma solução satisfatória para todos.

Os PFAs disseram ao presidente do Incra que, diante de tal quadro (da intransigência do governo), ainda que se aceite essa proposta, não haverá clima institucional para conversar o que quer que fosse com o atual governo, que a categoria estaria disposta a sentar com a direção do INCRA para discutir qualquer pauta e que tem muito a contribuir com propostas para uma melhor gestão do órgão, mas que isso só ocorrerá quando resolvida a pauta salarial.

Por KASSIO ALEXANDRE BORBA

Coordenador Executivo