Domingo, 14 de Abril de 2024

Nota de apoio à gestão do Incra em Sergipe
Superintendência está ocupada por integrantes da FNL e MST, que pedem a saída do Superintendente

Desde a amanhã de quinta-feira, 3 de março, a Superintendência Regional do Incra em Sergipe foi ocupada por integrantes do movimento da Frente Nacional de Luta Campo e Cidade (FNL). Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST juntaram-se à ocupação mais recentemente. Em respeito ao estabelecido na Portaria Interministerial nº 325, de 29 de abril de 1998, os servidores retiraram-se dos seus postos de trabalho.

Os manifestantes reclamam do não cumprimento de reivindicações e pedem a saída do Superintendente Regional, o Perito Federal Agrário Haroldo Álvaro Freire Araújo Filho, que assumiu em julho de 2016. Eles se recusam a negociar com a gestão local.

O Sindicato Nacional dos Peritos Federais Agrários – SindPFA conhece o Superintendente Haroldo Araújo e sabe do seu compromisso com uma gestão técnica e responsável, valores pelos quais lutou enquanto servidor e representante da Carreira neste Sindicato.

Sua ascensão ao cargo de Superintendente em 2016 deu-se em virtude da sua comprovada capacidade técnica e intransigência com os princípios que regem a administração pública: legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência.

A gestão liderada por Haroldo tem sido agregadora, capaz de resgatar a motivação de servidores e, principalmente, corajosa ao enfrentar interesses de grupos que outrora praticavam ingerência nas políticas públicas do órgão, em detrimento das boas práticas no serviço público.

Por isso, essas manifestações não surpreendem. Aliás, já ocorrem desde a sua posse.

Evidentemente, os vários problemas da política agrária brasileira, que se acumularam e se agravaram nos últimos anos, não podem ser atribuídos a um único gestor local nem podem ser resolvidos num passe de mágica, tampouco mantendo o modus operandi de quem as deixou no estado em que se encontram.

A situação caótica do Incra já vem de muito tempo e continua, mesmo no atual governo; assola desde o órgão central até as suas trinta superintendências regionais, de modo que não se pode atribuir a culpa dessa miséria institucional ao gestor, que notadamente tem empreendido esforços pessoais para revertê-la.

Dessa forma, o SindPFA manifesta o apoio incondicional e inflexível à permanência do Superintendente Regional Haroldo Araújo em Sergipe e acredita fielmente nos propósitos com que ele vem desenvolvendo seu trabalho neste cargo.

De igual modo, esta entidade repudia as ações que, cegas a essa inegável realidade, pedem a sua saída, bem como lamenta que trabalhadores rurais ainda sejam usados para interesses avessos aos verdadeiros ideais de uma política agrária séria.

Por KASSIO ALEXANDRE BORBA

Coordenador Executivo