Domingo, 14 de Agosto de 2022

Peritos entregam cargos de chefia
Intransigência na negociação salarial provocou ação

Diante do impasse estabelecido nas negociações com o Ministério do Planejamento, que continua intransigente, não tendo avançado na proposta já amplamente rejeitada pela categoria, mesmo após a realização de quatro reuniões com a pasta – realidade que não se modificou com o envolvimento do Incra e Ministério do Desenvolvimento Agrário -, vários PFAs ocupantes de funções de DAS-1 e DAS-2 requereram exoneração coletiva e colocaram seus cargos à disposição da Administração Pública.

PFAs de Brasília assinaram o requerimento.

Estes chefes constataram que diante da incapacidade do órgão e de sua gestão em defender as categorias de servidores e de dar o devido reconhecimento ao Perito Federal Agrário no contexto institucional, vários profissionais estão buscando outras oportunidades de trabalho, de modo que se tornará insustentável o trabalho na instituição e o Incra perderá em qualificação das atividades que tem por missão desenvolver, a exemplo da já nítida dificuldade do órgão em empossar os servidores aprovados no último concurso público.

Os requerimentos foram protocolados nas SRs para o Superintendente Regional, com cópia para o Presidente do Incra, Carlos Guedes. Em Brasília, o protocolo foi diretamente na presidência do Incra.

As ações já foram registradas em Brasília, no Ceará, em Minas Gerais, na Bahia, em Sergipe, no Maranhão, no Piauí, em Santa Catarina, no Pará, no Tocantins, no Paraná, no Rio Grande do Sul e no Acre. Estimativa é que a maioria dos profissionais ocupantes de cargos aderiram à iniciativa dos colegas.

PFAs de Santa Catarina assinam o documento de entrega.

PFAs do Piauí. No Estado, todos os ocupantes entregaram os cargos. 

PFAs da Bahia protocolando o documento.

A Diretoria do SindPFA, reunida em Brasília, enaltece a coragem dos colegas e agradece a solidariedade, tendo em vista a situação de desgaste em que encontra a categoria. Num tempo de dificuldades financeiras, em que a categoria luta por valorização e não é ouvida pelo Governo federal, é uma atitude louvável de apoio à luta da categoria.

Abaixo estão alguns dos Requerimentos já entregues.

Por KASSIO ALEXANDRE BORBA

Coordenador Executivo