Sexta-feira, 9 de Dezembro de 2022

Perseguição continua em Petrolina-PE
Servidores que apoiaram os PFAs estão sendo transferidos de divisão

Os Peritos Federais Agrários da Superintendência Regional do Incra em Petrolina-PE promoveram um café da manhã nesta quarta-feira, 18/12, como um ato de desagravo, reconhecimento e agradecimento a dois servidores que foram transferidos de divisão por apoiarem a causa dos PFAs da unidade.

Galdino Oliveira Filho (à esquerda na foto), Engenheiro Agrônomo – embora não pertença à carreira de PFA -, nomeado, então Chefe da Divisão de Obtenção de Terras da Superintendência Regional do Incra em Petrolina-PE, também substituo do Superintendente e o ordenador de despesas, foi transferido para a Divisão de Ordenamento da Estrutura Fundiária. O Delegado Sindical do SindPFA na SR, Renato Faccioly, refere-se a ele como homem de boa índole e conduta profissional, sempre pautando-se pelas leis e normas da Autarquia, bem como pela boas práticas agronômicas, o que o aproximou dos PFAs.

Junto com Galdino, também foi transferido para a Divisão de Ordenamento da Estrutura Fundiária o analista César Bezerra, servidor concursado, cuja postura também foi elogiada pelo Delegado Sindical Renato Faccioly. A transferência de ambos foi anunciada formalmente pelo Superintendente em reunião com todos servidores da casa, no dia anterior, terça, 17/12.

Nos últimos tempos, os dois servidores vinham acompanhando e apoiando a luta dos Peritos Federais Agrários pela qualificação dos processos, elaboração do Estudo de Capacidade de Geração de Renda – ECGR, questionamento da falta da planilha referencial de preços de terras, necessidade de EPIs e capacitações, entre outras reivindicações que dizem respeito à melhoria da autarquia.

Os Peritos avaliam que tais mudanças refletem uma perseguição política, uma vez que Galdino foi quem autorizou os profissionais a participarem do evento Semiárido Show, em 29/10, quando houve o manifesto durante a fala do Presidente do Incra, Carlos Mário Guedes de Guedes.

Galdino manteve sua palavra e sustentou, em reunião com a Direção local quando se discutia o corte de ponto, a autorização que havia dado aos PFAs, mesmo quando incitado a não mantê-la, uma vez que a autorização havia sido verbal. A postura de Galdino fez com que o Superintendente tivesse que consignar no memorando do corte de ponto a sua autorização, informação que foi muito relevante para a decisão favorável aos PFAs na esfera judicial.

Toda comunidade da SR foi então convidada pelos Peritos Federais Agrários para o café da manhã, quando foi explicado aos presentes a situação. Segundo os PFAs da unidade, Galdino e César fizeram discursos emocionados, sentidos, com uma certa revolta, mas com elegância e clareza a respeito dos motivos que ensejaram a transferência deles para a outra divisão. Afirmaram ainda que sempre defenderão os princípios da administração pública, princípios estes objetivados nas ações realizadas pelos peritos naquele manifesto e em sua ação cotidiana.

Por KASSIO ALEXANDRE BORBA

Coordenador Executivo